A provedora e administradora voluntária da Santa Casa de Arcos, Irmã Sandra Gontijo, informou ao Jornal e Portal CCO que a construtora MJ Ribeiro Engenharia irá retomar a obra do Bloco Cirúrgico, Obstétrico e CME (Central de Material Esterilizado) neste mês de maio, com término previsto para agosto. O prefeito Denilson Teixeira e a provedora já protocolizaram a solicitação de 10 leitos de CTI (Central de Tratamento Intensivo), na Superintendência Regional de Saúde. Leia essas e outras boas notícias sobre o hospital: manutenção da usina de oxigênio, substituição de camas (inclusive na enfermaria), quartos e apartamentos reformados, reforma da rampa. 

“Meu sonho é ver o povo sendo atendido na Santa Casa” - Irmã Sandra Gontijo, provedora e administradora do hospital 

A Diretoria da Santa Casa está empenhada em ações que possam contribuir com o equilíbrio financeiro e a reestruturação do espaço físico da unidade. Melhorar a estrutura de todo o prédio, inclusive dos quartos e apartamentos, é essencial para atrair, também, pacientes particulares e conveniados a Planos de Saúde, com a finalidade de aumentar a Receita, reduzir o déficit e manter a unidade em funcionamento para todos.

Afinal, é o único hospital de Arcos com estrutura adequada para internações, principalmente pelo SUS (Sistema Único de Saúde). Em entrevista ao Jornal CCO, Irmã Sandra Gontijo ressaltou que a Santa Casa precisa cumprir 60% de atendimentos pelo SUS (Sistema Único de Saúde).

“Meu sonho é ver o povo sendo atendido na Santa Casa. Parece um discurso populista, mas mão é. Precisamos dar dignidade às pessoas [...]. Se temos a Santa Casa, a Santa Casa precisa ser usada”, deixa a reflexão.  

Obra do Bloco Cirúrgico da Santa Casa deverá ser reiniciada neste mês

A obra do Bloco Cirúrgico, Obstétrico e CME (Central de Material Esterilizado) da Santa Casa de Arcos deverá ser retomada ainda neste mês de maio, segundo a Irmã Sandra Gontijo, que é provedora e administradora do hospital há aproximadamente um ano, voluntariamente, sem nenhuma remuneração.

Continua após a publicidade

A construção, localizada nos fundos do hospital, ocupa uma área de 1.180 m2, aproximadamente. Na unidade serão realizados procedimentos cirúrgicos; lavagem e esterilização de utensílios hospitalares;  partos normais e cirúrgicos.

No Centro Cirúrgico serão cinco salas, sendo uma de parto cirúrgico, uma de AMIU (Aspiração Manual Intra Uterina) e três salas cirúrgicas. No Centro de Parto Normal serão duas salas de PPP (Pré-Parto, Parto e Pós-Parto).

No dia 27 de abril, a coordenadora da Vigilância Sanitária (VISA) da Secretaria Regional de Saúde de Divinópolis, Viviane Duarte, encaminhou à Santa Casa uma via do projeto e Parecer Técnico referente ao Projeto Arquitetônico do Bloco e CME, solicitando que o expediente fosse encaminhado à Coordenadoria de Vigilância Sanitária do Município, para conhecimento, assim como o Parecer Técnico e via aprovada do projeto.

De acordo com o referido Parecer Técnico, a ventilação dos ambientes deverá estar de acordo com as especificidades dos mesmos e a legislação sanitária.

Foi determinado que após a aprovação do projeto básico pela VISA, deverá ser elaborado o projeto executivo das instalações de ar condicionado e ventilação mecânica, de modo a permitir a execução das obras das instalações hidráulicas e especiais por terceiros, de acordo com a legislação sanitária e demais legislações e normas pertinentes, devendo os projetos de sistemas mecânicos de ventilação serem assinados por responsáveis técnicos devidamente habilitados em seus Conselhos Profissionais de Classe. 

A conclusão do Parecer é que o projeto poderá ser considerado aprovado para fins de liberação de Alvará Sanitário, mas deverão ser atendidas as observações já mencionadas.

Continua após a publicidade

A construtora MJ Ribeiro Engenharia dará continuidade à obra. A previsão de término é agosto deste ano.

10 leitos de CTI (Centro de Terapia Intensiva)

Em fevereiro, foi protocolizado na Superintendência Regional de Saúde, em Divinópolis, o documento para a liberação de 10 leitos de CTI (Centro de Terapia Intensiva) para a Santa Casa de Arcos.

A solicitação foi feita pelo prefeito Denilson Teixeira e pela provedora da Santa Casa, Irmã Sandra Gontijo. “Já foi indicado e aprovado e agora estamos esperando. A arquiteta está fazendo o projeto do CTI, ainda estamos definindo o local na Santa Casa. A expectativa é terminar 2020, este ano terrível em função da pandemia de coronavírus, com o Bloco funcionando”, diz a provedora do hospital.

Obra do Bloco Cirúrgico foi paralisada em setembro de 2016

A obra, iniciada em março de 2014 na gestão do empresário Fernando Ribeiro, foi executada em 65%, aproximadamente, estando paralisada desde setembro de 2016, por falta de recursos. O convênio com o Estado perdeu a validade. Em agosto de 2019, em reunião agendada pelo deputado  Antônio Carlos Arantes, ele acompanhou  representantes da Santa Casa na Cidade Administrativa, para uma reunião com o secretário de Saúde do Estado, quando solicitaram o repasse do saldo do recurso destinado para a construção do referido Bloco Cirúrgico e a CME. No entanto, eles foram informados que o convênio não poderia mais ser prorrogado, porque já completava seis anos de vigência. 

Continua após a publicidade

Naquele momento foi sugerida a indicação de recurso para custeio da Santa Casa, no valor de R$1 milhão,  orientando que a construção do Bloco Cirúrgico e CME fosse concluída com recurso próprio.

Os recursos para custeio de materiais de consumo - a exemplo de medicamentos e produtos de limpeza/higienização - foram depositados na conta da Santa Casa de Arcos no dia 31 de dezembro de 2019, por indicação do deputado.

Em fevereiro deste ano, prefeito Denilson Teixeira informou que havia encaminhada à Câmara o Projeto de Lei para destinação de R$1.300.000,00 (um milhão e 300 mil reais) à Santa Casa, por meio de convênio com a Prefeitura, para a conclusão da obra. Em contrapartida, o prefeito Denilson Teixeira solicitou que sejam realizadas 200 cirurgias eletivas nesse hospital, reduzindo a fila de espera pelo atendimento que é responsabilidade do SUS (Sistema Único de Saúde).